.::. SINAL .::.
 

Área de Filiados

Matrícula:
Senha:

Não tem ou esqueceu a senha?

    Busca

 
 
Portal Sinal
 
Informativos   

 

2/12/2008-Caso de excelência ou sucesso?
rh.com.br - Sebastião de Almeida Júnior

Durante uma reunião com diretores e gerentes de uma empresa, fui questionado a respeito da minha preferência pelo termo "excelência"; enquanto que o mais comum é, segundo quem questionou, as pessoas utilizarem o termo "sucesso". Diante disto, me posicionei da seguinte forma: conversei com pessoas que alcançaram o sucesso e nenhuma delas soube me explicar de um jeito claro o caminho a ser percorrido para se chegar lá.

Geralmente davam a impressão de que o acaso tinha sido o maior responsável pela posição de destaque que a sua empresa alcançou. Alguns chegaram a afirmar que tiveram a sorte de estar no lugar certo e na hora certa, pois não haviam feito nada de excepcional para conquistar a preferência de uma clientela.

Houve momentos em que estes pareciam estar se referindo a uma canção que, não tendo nada de especial, consegue cair no gosto popular e não só vende milhões de cópias como é executada à exaustão pelas rádios. Daí, toda vez que o "artista" se apresenta, é obrigado a cantar a mesma música com os mesmos acordes e trejeitos até que o público se canse dela - ou a substitua por outra - ou ele deixe de se submeter aos caprichos dos fãs.

Já com relação à excelência, as referências são mais consistentes: "Somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é uma ação isolada. A excelência é um hábito". Já dizia Aristóteles há cerca de vinte e quatro séculos, demarcando uma diferença significativa entre estes dois termos, uma vez que o excelente de hoje pode ser aprimorado amanhã, enquanto que, depois do sucesso, só pode vir a queda ou o esquecimento.

Assim, os que alcançam a excelência conseguem recordar uma trajetória de aprendizado, de exercício de superação de problemas e dificuldades, de acertos e de erros, que os tornam mais humildes e predispostos a compartilhar experiências, e sobre elas basear seus planos para o futuro.

Alguns chegam a afirmar que esta humildade é fruto do reconhecimento pela colaboração de muitos, para que conseguissem aprender alguma coisa que não fosse útil somente para uma pessoa, mas para o Humano. Daí a diferença entre o "expert", considerado o supra-sumo por alguns, e o sábio que está sempre aberto para as lições que podem ser tiradas de cada situação vivida.

Se a excelência pode ser vista como estágio alcançado por uma empresa, este pode ser estendido ou ampliado na medida em que o aprendizado continua sendo incentivado para gerar novas competências - combinação do "saber fazer" com o "fazer freqüente e disciplinado". Isso, para ninguém imaginar passes de mágica como sendo os grandes responsáveis pela saúde de uma empresa ou que a sorte estará à disposição para ser convocada e comparecer quando for conveniente. Ao contrário, geralmente quando se imagina que a sorte é mais necessária, ela não atende à convocação e provoca o desastre seguido da "caça às bruxas", como a que está ocorrendo em empresas que amargam pesadas perdas diante da atual crise financeira mundial.

Já a excelência que não se excita com os aplausos, as condecorações, os prêmios e as menções honrosas, essa se mantém discreta e de mãos dadas com a competência, evitando, de um lado, tornar-se vítima de desespero, desânimo, angústia e ansiedade - próprios das situações que demandam decisões e consenso - e, de outro lado, da depressão quando o sentido deixa de existir.

Assim uma empresa pode alcançar uma situação excelente quando faz o melhor uso possível dos recursos de que dispõe; e seus dirigentes somente comparam suas práticas com as dos dirigentes de outras empresas para ampliar seus referenciais. Sem ganância nem inveja.

Enfim, o sucesso está restrito a uma condição passageira que muito raramente se repete, enquanto que a excelência pode ser expandida sem deixar seqüelas. Estes são os motivos pelo qual prefiro trabalhar em função da excelência das empresas.



          
 

 
  Convênios
 Resultados sustentáveis e o desenvolvimento da liderança
 Os 7 Erros de Quem Vive Reclamando da Vida
 Transformando um simples supervisor em um grande mentor
 Governança Corporativa: vale a pena alcançá-la?
 Melhorando o ambiente de trabalho: simpatia
 A fórmula da execelência
 Conflitos crescem no ambiente corporativo
 Treino é treino; jogo é jogo: mundo corporativo imita futebol e faz trocas de comando em nome do resultado
 Apagão de mão-de-obra: crônica de uma morte anunciada
 Qualidade em Serviços

2390 registros encontrados
  Anterior | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 | 22 | 23 | 24 | 25 | 26 | 27 | 28 | 29 | 30 | 31 | 32 | 33 | 34 | 35 | 36 | 37 | 38 | 39 | 40 | 41 | 42 | 43 | 44 | 45 | 46 | 47 | 48 | 49 | 50 | 51 | 52 | 53 | 54 | 55 | 56 | 57 | 58 | 59 | 60 | 61 | 62 | 63 | 64 | 65 | 66 | 67 | 68 | 69 | 70 | 71 | 72 | 73 | 74 | 75 | 76 | 77 | 78 | 79 | 80 | 81 | 82 | 83 | 84 | 85 | 86 | 87 | 88 | 89 | 90 | 91 | 92 | 93 | 94 | 95 | 96 | 97 | 98 | 99 | 100 | 101 | 102 | 103 | 104 | 105 | 106 | 107 | 108 | 109 | 110 | 111 | 112 | 113 | 114 | 115 | 116 | 117 | 118 | 119 | 120 | 121 | 122 | 123 | 124 | 125 | 126 | 127 | 128 | 129 | 130 | 131 | 132 | 133 | 134 | 135 | 136 | 137 | 138 | 139 | 140 | 141 | 142 | 143 | 144 | 145 | 146 | 147 | 148 | 149 | 150 | 151 | 152 | 153 | 154 | 155 | 156 | 157 | 158 | 159 | 160 | 161 | 162 | 163 | 164 | 165 | 166 | 167 | 168 | 169 | 170 | 171 | 172 | 173 | 174 | 175 | 176 | 177 | 178 | 179 | 180 | 181 | 182 | 183 | 184 | 185 | 186 | 187 | 188 | 189 | 190 | 191 | 192 | 193 | 194 | 195 | 196 | 197 | 198 | 199 | 200 | 201 | 202 | 203 | 204 | 205 | 206 | 207 | 208 | 209 | 210 | 211 | 212 | 213 | 214 | 215 | 216 | 217 | 218 | 219 | 220 | 221 | 222 | 223 | 224 | 225 | 226 | 227 | 228 | 229 | 230 | 231 | 232 | 233 | 234 | 235 | 236 | 237 | 238 | 239 | Prxima